domingo, 17 de julho de 2016

Vídeo em rede social mostra caminhão atingindo multidão em Nice



Um vídeo divulgado no Facebook mostra o momento em que o caminhão dirigido pelo tunisiano Mohamed Lahouaiej-Bouhlel,de 31 anos, avançou sobre a multidão que acompanhava as celebrações do 14 de julho na avenida Passeio dos Ingleses, em Nice, na França.
As imagens revelam que poucos perceberam a aproximação do veículo.

Mais cedo, o grupo radical Estado Islâmico reivindicou o massacre em Nice, no sul da França, segundo informou neste sábado (16) a agência Amaq, ligada ao grupo jihadista.
“O autor da operação é um soldado do Estado Islâmico. Executou a operação em resposta aos chamados para atacar cidadãos dos países da coalizão internacional que lutam contra o EI no Iraque e na Síria”, afirmou a Amaq.
O ataque em nice foi feito por um motoristaque avançou com um caminhão entre as pessoas que estavam à beira-mar, festejando a queda da Bastilha na quinta-feira (14), deixando 84 mortos e 200 feridos.
O motorista, identificado como Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, de 31 anos, que nasceu na Tunísia e morava em Nice, foi morto pela polícia.
No dia 21 de maio, o porta-voz do EI, Mohammad al Adnani, convocou seus seguidores a realizar mais atentados no Ocidente, especialmente na Europa e Estados Unidos, por causa do mês sagrado do Ramadã, que terminou no último dia 5 de julho.
Em mensagem carregada de ódio, cuja veracidade não foi ser confirmada, al Adnani afirmou que “atacar aos chamados civis é o melhor e mais útil”.
No discurso de 31 minutos de duração, divulgado pelas das redes sociais, o porta-voz do EI pediu para seus simpatizantes que qualquer ataque, por menor que seja, na casa do inimigo, é melhor que um grande nos territórios que controlam.
Para a Promotoria francesa, o atentado em Nice encaixa no tipo de ameaça do EI, que pediu em janeiro para usar balas, facas ou “carros” para matar os infiéis.
Prisões
A polícia francesa prendeu neste sábado três pessoas em Nice como parte da investigação aberta sobre o atentado, subindo para cinco o número de detidos.
Primeiro-ministro
O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, disse na sexta (15) que o autor do atentado em Nice “sem dúvida tem ligações com o islamismo radical”. Ele falou sobre o assunto durante participação em um jornal do canal de TV France 2.
O primeiro-ministro disse que a França irá ganhar a guerra contra o terrorismo, mas admitiu temer que “novas réplicas aconteçam”. “Os terroristas procuram nos dividir”, prosseguiu, criticando políticos que “não estão à altura do momento”, sem deixar claro a quem se referia.
Valls também voltou a dizer que não houve falha de segurança e destacou que “15 planos de atentados foram frustrados nos últimos três anos, incluindo um particularmente importante na primavera”.
Ele assegurou que a coalizão internacional que combate o EI será reforçada, promessa feita na quinta pelo presidente François Hollande em seu pronunciamento na TV.
Segundo Valls, na próxima semana haverá uma reunião “muito importante” em Washington, nos EUA, da qual participará o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian. “Vamos reforçar a capacidade da coalizão”, afirmou.
COMENTÁRIOS DO BLOG:

O ATAQUE SOBRE NICE



O ataque sobre Nice tem motivações muito além do Islã. Os países da União Europeia (UE) tem que se submeterem, entre outras coisas, a abrir mão de suas defesas - FFAA.
União Europeia (UE) é instrumento islamo-comunista.
O ataque foi feito na mais importante comemoração dos Franceses pela liberdade - Queda da Bastilha.

A Bastilha (em francês: Bastille), mais conhecida por ter sido uma prisão - assim funcionando desde o início do século XVII até o final do século XVIII - foi inicialmente concebida apenas como um portal de entrada ao bairro parisiense de Saint-Antoine, na França, motivo pelo qual era denominada Bastilha de Saint-Antoine.


Encontrava-se onde hoje está situada a Place de la Bastille ("Praça da Bastilha") em Paris.

Ficou conhecida por ter sido o palco do evento histórico conhecido como a Tomada da Bastilha, em 14 de Julho de 1789, o qual aliado ao Juramento do Jogo da Péla, está entre os fatos mais importantes do início da Revolução Francesa.

O evento foi grandiosamente comemorado exatamente um ano depois (em 14 de Julho de 1790) na pomposa festa que ficou conhecida como a Fête de la Fédération (A Festa da Federação).

A partir de 1880 a festa tornou-se feriado nacional, é a Festa nacional francesa também conhecida como o 14 Juillet. Em novembro de 1789 a Bastilha foi totalmente demolida.

Niceia foi fundada aproximadamente, há 2300 anos pelo grego na costa Ligúria e recebeu o nome de Nike ou Niceia em honra da vitória contra os Lígures (os povos indígenas). (Nike foi o nome da deusa da vitória).

A beleza natural da região e seu clima ameno chamou a atenção das classes abastadas da Inglaterra na segunda metade do século XVIII, quando um número crescente de famílias aristocráticas viajava ao local para passar o inverno. A principal avenida à beira-mar da cidade, a Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses) deve seu nome ao visitantes britânicos do resort.

Em 1543 Nice foi atacado pelas forças de François I da França e os piratas turcos Barbarroja e, a vitória foi autorizado a pilhar a cidade e ter 2500 de seus habitantes como escravos. A praga (peste negra) reapareceu nos anos 1550 e 1580. Caterina Segurana nizarda de heroína que foi feita famosa na época da batalha de Nice 1543 contra os Franceses e os Turcos. A fortaleza de Nice na altura irá resistir a este ataque. Caterina Segurana é o símbolo da cidade de Nice. A peste negra, a cid reaparecer em 1550 e 1580 e mata metade dos habitantes. Em 1561 Emanuel Felisberto de Saboia, removido o uso do latim como língua administrativa e estabeleceu a língua italiana como língua oficial da atividade governamental em Nice. Embora a população falava o Língua lígure. Em 1610 é a construção da estrada real Nice-Turim.


Portanto temos de uma só vez todos os ingredientes simbólicos necessários: A França o principal pais que não querem que saiam da União Europeia (UE), os ingleses no nome da avenida, os Turcos com o Império Otomano e a Grécia comunista com seus imigrantes terroristas.



A União Europeia não tem um exército unificado. Os antecessores da União Europeia não conceberam como uma forte aliança militar porque a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) era amplamente vista como adequada e suficiente para os fins de defesa do continente. Vinte e dois dos membros da UE são também membros da NATO, enquanto os demais Estados-membros seguem políticas de neutralidade. A União da Europa Ocidental, uma aliança militar com uma cláusula de defesa mútua, foi dissolvida em 2010, visto que a sua função foi transferida para a UE.

De acordo com o Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), a França gastou mais de 44 mil milhões de euros (59 mil milhões de dólares) na área de defesa em 2010, colocando-a em terceiro lugar no mundo após Estados Unidos e China, enquanto o Reino Unido gastou cerca de 38 mil milhões de libras esterlinas (58 mil milhões de dólares), o quarto maior orçamento de defesa. Juntos, a França e o Reino Unido representam 45 por cento do orçamento de defesa, 50 por cento da capacidade militar e 70 por cento dos gastos em pesquisa e desenvolvimento militar de toda a Europa. Reino Unido e França também são oficialmente reconhecidos como potências nucleares e são os dois únicos países europeus que detêm assentos permanentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Em 2000, Reino Unido, França, Espanha e Alemanha representaram 97 por cento do orçamento total de pesquisa militar dos então 15 Estados-membros da UE.

Um comentário:

  1. Enojada com tanta crueldade. Que Deus tenha compaixão da humanidade.

    ResponderExcluir