quarta-feira, 15 de junho de 2016

Gleisi Hoffmann a Petroleira



Gleisi Helena Hoffmann (Curitiba, 6 de setembro de 1965) é uma advogada e política brasileira, ex-ministra-chefe da Casa Civil do Brasil. Exerce atualmente o cargo de Senadora da República Federativa do Brasil, representando o Estado do Paraná. Em 7 de maio de 2016 foi denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato, juntamente com o marido Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kruger Rodrigues, acusada de envolvimento em propinas na Petrobras.

Operação Lava Jato

O doleiro Alberto Youssef, envolvido no esquema investigado pela Operação Lava Jato, afirmou em delação premiada que a campanha política de Gleisi Hoffmann nas eleições de 2010 recebeu R$ 1 milhão. Paulo Roberto Costa também confirmou a acusação, dizendo que o marido de Gleisi, Paulo Bernardo, é que teria solicitado a ajuda deste valor na campanha. Gleisi e Paulo Bernardo negam as acusações. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, seu nome foi citado em janeiro de 2015 na delação premiada da Operação Lava Jato. Em 6 de março de 2015, o nome de Gleisi foi incluído na lista de políticos envolvidos na Operação Lava Jato, e o ministro Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a instauração do Inquérito PET-5257, bem como a realização de diligências. Um julgamento realizado pelo STF em 23 de setembro de 2015 decide que Gleisi Hoffmann não será investigada pela força-tarefa da Lava-Jato. O argumento do relator do caso, o ministro Dias Toffoli, é que a Lava-Jato se dedica à corrupção na Petrobras e não em outros setores.

Indiciada pela Polícia Federal



Em março de 2016, a Polícia Federal indiciou Gleisi Hoffmann por corrupção passiva, na Operação Lava Jato, ao concluir que Gleisi e seu marido, o ex-ministro das Comunicações no governo Dilma, Paulo Bernardo, receberam R$ 1 milhão de propina oriunda de contratos da Petrobras.

Citada em outra delação

Em 25 de abril de 2016, o jornal Folha de S.Paulo publicou que o advogado Antonio Carlos Pieruccini detalhou em delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal ter feito entrega de dinheiro em shoppings, apartamentos, estacionamentos e hotéis para pessoas ligadas a três políticos, Gleisi, Nelson Meurer e João Pizzolatti. De acordo com o advogado, os valores foram providenciados pelo doleiro Alberto Youssef.

Vida pessoal

Seu primeiro matrimônio foi com o jornalista Neilor Toscan com quem o traiu quando Paulo Bernardo esteve de visita em sua casa por uns dias e assim ela rapidamente viu uma carreira melhor dentro do petismo. Atualmente continua casada com o político Paulo Bernardo, com quem tem dois filhos (João Augusto e Gabriela Sofia).


A patética senadora Gleisi Hoffman (aqui)

Nenhum comentário:

Postar um comentário